MALA DE COMPRAS
( 0 )

Zé Povinho

Bordallo Pinheiro

BP934043

Com o 5º número da revista A Lanterna Mágica, de 12 de Junho de 1875, nasce o Zé Povinho, espelho sarcástico do povo português com os seus vícios e a sua esperteza oportunista. Da caricatura desenhada para a perpetuação em faiança, o Zé Povinho é a criação mais emblemática de Bordallo e a metáfora mais certeira do nosso carácter colectivo.



49,00 €




Descrição

BORDALLO PINHEIRO
 
125 ANOS DE HISTÓRIA
A Faianças Artísticas Bordallo Pinheiro foi fundada em 1884 com o propósito de revitalizar as artes tradicionais da cerâmica e do barro, cruzando-as com a modernidade de diversos estilos que anunciavam o futuro, mas, acima de tudo, com a originalidade do seu criador, Raphael Bordallo Pinheiro.
Assim nascia a produção em série de peças indissociáveis, até hoje, do nosso imaginário, e referências culturais de carácter universal.
 
Bordallo dedicou atenção a todos os pormenores na edificação do seu maior projecto: desde a escolha do terreno, moldura verdejante onde brotavam nascentes e se encontravam dois barreiros, até à construção da escola primária para os filhos dos operários, no espaço da fábrica, em pleno relvado.
 
A paixão e criatividade colocadas no trabalho, a consciência social, o humor e a transgressão de ideias feitas deram à empresa uma qualidade notável, tornando-a responsável por uma herança de enorme valor.
Um património artístico e histórico que é agora resgatado pela aquisição da Faianças Bordallo Pinheiro por parte da Visabeira Indústria.
 
Continuando a utilizar grande parte das técnicas centenárias na reprodução dos modelos, a Faianças Bordallo Pinheiro prossegue a recuperação de um legado insubstituível.
Paralelamente, e animada pelo mesmo espírito pioneiro, é uma empresa inovadora, criando produtos de cariz contemporâneo e reforçando o seu prestígio nos diversos mercados em que marca presença.
 
MISSÃO
Estimular a criatividade, a inovação e a excelência da produção de faiança decorativa e utilitária, recorrendo aos motivos e ambientes tradicionais e adaptando-os às exigências modernas.
 
POLÍTICA DE QUALIDADE
Manter a integridade do passado e do presente, com preocupações de reforço da sua identidade, oferta e qualidade.

Produtos Relacionados
Corvo com patas em latão natural
 
200x95x220mm 
 
O Corvo Malandro é uma representação de uma observação própria, em faiança, vidrado e decorado, segundo o uso da tradição da técnica manual do mergulho e da pintura sobre vidro.
Enobrecido por duas patas fundidas em latão natural ou em latão envelhecido, segundo o processo de fundição manual em molde de areia.
Uma peça puramente decorativa.
 
Embalagem:
Caixa em cartão microcanelado, envolvida por uma cinta em papel (olin) onde se conta toda a história ... ilustração e estória - texto criativo.

Laboratório d'Estórias 39,50 € VER MAIS

A originalidade e a frescura das peças Bordallo Pinheiro continuam a decorar as mesas dos portugueses, conferindo-lhes um toque único de cor e plasticidade e um naturalismo de sabor nacional.
Uma forma muito nossa de guardaros alimentos ou de servir refeições, intensificando o prazer de partilhar.
esgotado

Bordallo Pinheiro 40,50 € VER MAIS

Formato: LIVROCD (80 pp. capa: 20,5cm x 14,2cm)
Línguas: Português e inglês
 
O Fado e a Alma Portuguesa é uma obra que reúne dois dos maiores patrimónios da cultura portuguesa e de Lisboa: A poesia de Fernando Pessoa e o fado.
Pela primeira vez a poesia de Pessoa nas grandes vozes do fado.
 
Um disco com 20 temas dos quais 6 inéditos.
 
O livro contém fotos dos artistas, textos e os poemas cantados traduzidos para inglês com a singular mestria de Alexis Levitin e Richard Zenith.
 
O Fado e a Alma Portuguesa
Toda a poesia - e a canção é uma poesia ajudada - reflecte o que a alma não tem.
Por isso a canção dos povos tristes é alegre e a canção dos povos alegres é triste.
O fado, porém, não é alegre nem triste. É um episódio de intervalo.
Formou-o a alma portuguesa quando não existia e desejava tudo sem ter força para o desejar.
As almas fortes atribuem tudo ao Destino; só os fracos confiam na vontade própria, porque ela não existe.
O fado é o cansaço da alma forte, o olhar de desprezo de Portugal ao Deus em que creu e também o abandonou.
No fado os Deuses regressam legítimos e longínquos. É esse o segredo sentido da figura de El-Rei D. Sebastião.
Fernando Pessoa

SevenMuses, MusicBooks 23,90 € VER MAIS

COLECÇÃO SARDINHA BY BORDALLO PINHEIRO FAROL by ANA SOFIA GONÇALVES PREIA-MARA by FILIPA OLIVEIRA Edições especiais limitadas

Bordallo Pinheiro 51,40 € VER MAIS