MALA DE COMPRAS
( 0 )

Corvo Malandro

Laboratório d'Estórias

LE.008.PC

Corvo com patas em latão natural
 
200x95x220mm 
 
O Corvo Malandro é uma representação de uma observação própria, em faiança, vidrado e decorado, segundo o uso da tradição da técnica manual do mergulho e da pintura sobre vidro.
Enobrecido por duas patas fundidas em latão natural ou em latão envelhecido, segundo o processo de fundição manual em molde de areia.
Uma peça puramente decorativa.
 
Embalagem:
Caixa em cartão microcanelado, envolvida por uma cinta em papel (olin) onde se conta toda a história ... ilustração e estória - texto criativo.



39,50 €



PATAS DO CORVO





Descrição

LABORATÓRIO D'ESTÓRIAS
 
Contar a história de um Portugal diferente.
É com este espírito que, em Junho de 2013, surge o Laboratório d’Estórias: um espaço experimental de design que pretende inspirar-se nas estórias da cultura popular portuguesa para reinventar objectos tradicionais, utilizando-os para contar novas estórias – e, porque não, para recriar a própria história do país.
 
O Corvo Malandro
 
À porta da taberna ficava
E até aprendera a falar
Mas do que o corvo
Vicente gostava
 
Era de ver as senhoras passar
Aqui umas pernas roliças
Ali outras, mais delgadas;
Sem cometer injustiças
 
A todas dava bicadas
Assim tinha sido ensinado
Pelo dono da taberna
Mas descontente com o seu fado
Decidiu passar-lhe a perna
 
“Eu que desta cidade
Já fui eleito guardião
Quando protegi da tempestade
O primeiro rei da nação
Agora estou eu destinado
A tornar-me rufião?
 
”E o corvo disse: “Não”.
E sem dar aviso à casa
Estendeu longa a sua asa
E tomou uma decisão:
 
“Vou-me embora” – e partiu!
E assim pôs um fim à história
Mas em Lisboa persistiu
Como símbolo da sua glória
 
Da taberna, nem memória!
Mas ainda há quem comente:
“Lá vai o santo Vicente
Que de santo não tinha nada!
Nem Lisboa, menina e moça
Escapou à sua bicada!" 
 

Produtos Relacionados
Manjerico Grande Verde Caldas
 
Ø94x145mm   
 
Totalmente feita à mão, a peça “A Medusa e o Manjerico” é composta por um vaso em terracota de fabrico português e uma campânula (manjerico) em faiança vidrada num Branco Mate singular.
É ainda ornamentada com um colorido cravo de papel, feito à mão por uma artesã portuguesa especializada, acompanhado de uma quadra popular do poeta Fernando Pessoa.
 
No interior do vaso encontra ainda uma carteira de sementes de manjerico para cultivo, fornecida por um dos maiores produtores nacionais desta planta tradicional.
 
Embalagem:
A caixa é feita em cartão microcanelado e envolvida por uma cinta de papel que contém uma ilustração exclusiva realizada em conjunto por dois ilustradores portugueses e o resumo do conto “A Medusa e o Manjerico”, criado de propósito para esta peça.

Laboratório d'Estórias 19,50 € VER MAIS

Andorinha magnet

Cascais Souvenirs 10,00 € VER MAIS

Com o 5º número da revista A Lanterna Mágica, de 12 de Junho de 1875, nasce o Zé Povinho, espelho sarcástico do povo português com os seus vícios e a sua esperteza oportunista. Da caricatura desenhada para a perpetuação em faiança, o Zé Povinho é a criação mais emblemática de Bordallo e a metáfora mais certeira do nosso carácter colectivo.

Bordallo Pinheiro 49,00 € VER MAIS

Taça com andorinhas Bordallo Pinheiro
esgotado

Bordallo Pinheiro 80,00 € VER MAIS